Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Podenga Portuguesa

Mulher dramática, pensativa, inquieta, feliz e infeliz. Que carrega o peso do mundo nas costas. Que é filha da mãe natureza. Acredita no amor, na empatia, na verdade, na hipótese.

A Podenga Portuguesa

Mulher dramática, pensativa, inquieta, feliz e infeliz. Que carrega o peso do mundo nas costas. Que é filha da mãe natureza. Acredita no amor, na empatia, na verdade, na hipótese.

Vicio de ti

Este vicio de ti

Que mói mas não mata

Que quer fazer mas não passa

À acção

Por saber que não pode

Perder o orgulho ferido

De quem foi ignorado e banido

Da vida de alguém que amou.

 

Este vicio que me exige respeito

A cada tentativa de me redimir

Que me grita e me faz sumir

Da beira do precipício

 

Este vicio policia

Que me segue e me avisa

Assim que estou prestes a ceder

Quando oiço aquela musica

Que vontade absurda

De te voltar a ter

Como te tive um dia

Na ultima noite fria

Que para nós foi quente.

 

Este vicio que me pega e me acorda

Não há nada que sobra

Por onde possa pegar

Só me resta voltar

E continuar a viver

Fingindo que o que tivemos foi um sonho 

Que nunca mais voltarei a ter.

 

By: Podenga

 

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.