Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Podenga Portuguesa

Mulher dramática, pensativa, inquieta, feliz e infeliz. Que carrega o peso do mundo nas costas. Que é filha da mãe natureza. Acredita no amor, na empatia, na verdade, na hipótese.

A Podenga Portuguesa

13
Set18

Não sei usar as pessoas?

satc.jpg

Sex and the City - The Power of Female Sex - SE01 EP05

 

Neste mundo nocturno que tenho vindo a conhecer tenho encontrado pessoas que ao contrário de mim possuem uma habilidade extraordinária de sedução que lhes permite obter o que querem dos outros.

 

Há uma rapariga em particular.

Rapariga como quem diz, miúda, de 21 anos, cara de princesa e corpo esguio, sensual com ar frágil, que dá vontade de proteger.

Às vezes gostava de poder ficar de longe só a apreciar como faz.

 

Ela sai praticamente todos os dias e nunca a vejo pagar absolutamente nada.

Tem uma capacidade de sedução que até a mim me levou a crer que de facto estava comigo porque gostava de mim.

 

Mostra-se sempre disponível para ouvir, para aconselhar e para sair à noite.

Em troca precisa só de alguém que lhe dê bebidas e droga.

 

Dei-me conta deste esquema talvez mais cedo do que o esperado e depois de me ter tirado (a modo emprestado) quase meio saco disse-lhe que me devia 25 euros pelo abuso.

Obviamente que nunca me pagou, obviamente que nunca mais falei com ela.

Ás vezes encontramo-nos e eu digo-lhe que estou chateada ainda por causa do mesmo assunto.

Faz cara de bebe e diz que anda cheia de trabalho.

Como se eu não visse os instastories dela todos os dias...

 

Todas as semanas anda com pessoas novas.

Esta semana calhou uma artista plástica que tal como eu, deve ter-se apaixonado por ela.

Se calhar vai demorar mais tempo a perceber que está a ser usada já que tem um fundo maneio muito maior que o meu.

 

Se condeno a atitude dela?

Não sei...Admiro como ela consegue ter tantos amigos e obter tanta coisa de graça sem nunca ter de facto de "pagar o almoço".

 

O jogo do "dá e tira" tão bem ensaiado com tão tenra idade.

Eu com 21 anos nem bebia álcool...

Se calhar fui introduzida a este mundo demasiado tarde para aprender qualquer coisa.

Já tenho a minha consciência demasiado enraizada.

 

Não consigo seduzir sem dar nada em troca.

Não consigo manter as pessoas em lume branco e ir retirando delas algum proveito.

O meu tempo é demasiado precioso para fazer corpo presente.

Para plantar coisas que irei colher para a semana.

Para a semana é muito tempo, quero agora.

E por isso, ao contrario dela, assusto as pessoas, não as mantenho perto.

 

Se fico perto delas sugo-as, se estou longe sou demasiado indiferente e elas acabam por perder o interesse....

 

Nada que de resto não fosse óbvio face ao meu perfil ansioso.

Mas será que mais tarde ou mais cedo ela não será descoberta? Encostada à parede e obrigada a pagar todos os almoços de uma só vez?

Ou será que o meu ego demasiado irritado com a situação não consegue encaixar que se calhar as pessoas podem até (só) gostar de estar com ela e não querer saltar-lhe para a espinha?

 

Hm....acho pouco provável.

Será que me sinto incomodada com o facto de ela conseguir tão bem manter as pessoas fascinadas e a bajula-la sem realmente ter de pagar o preço, sem ter de se entregar?

 

Se calhar é tudo inveja, certo é que já tentei fazer o mesmo e não me dei tão bem.

Ou acabei com cama ou acabei a nunca mais ver a pessoa.

4 comentários

Comentar post