Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Podenga Portuguesa

Mulher dramática, pensativa, inquieta, feliz e infeliz. Que carrega o peso do mundo nas costas. Que é filha da mãe natureza. Acredita no amor, na empatia, na verdade, na hipótese.

A Podenga Portuguesa

Mulher dramática, pensativa, inquieta, feliz e infeliz. Que carrega o peso do mundo nas costas. Que é filha da mãe natureza. Acredita no amor, na empatia, na verdade, na hipótese.

Como aguentar a minha casa em confinamento?

viver em confinamento

Antes tinha na minha casa o meu refúgio, agora cabe nela todas as vertentes da minha vida e eu já quase a vomito.

Já não aprecio verdadeiramente estar aqui.

Já só me apetece estar em todo o lado menos aqui.

Até os meus gatos já me irritam, sempre atrás de mim.

As minhas plantas sempre a precisarem de água.

As máquinas da loiça e roupa e frigorífico e forno....Ahhhh!

Eu amo a minha casa atenção, mas já é muito tempo a fazer dela gato sapato.

Ela é ginásio, bar, escritório, discoteca, restaurante, loja de roupa....

Quis ter eu a sorte de ter os meus pais aqui ao lado para poder ir variando os ares e assim não enlouquecer.

Realmente uma pessoa só dá valor quando não tem, mas ninguém fala do que acontece ao que se tem quando não se tem as outras coisas, ou seja, passamos a ficar cansados delas e a precisar não ter para dar valor.

Diria que é uma pescadinha de rabo na boca isto de valorizar.

Acho que estou a precisar apanhar ar.

Pena a minha casa não ter varandas.

10 comentários

Comentar post