Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Podenga Portuguesa

Mulher dramática, pensativa, inquieta, feliz e infeliz. Que carrega o peso do mundo nas costas. Que é filha da mãe natureza. Acredita no amor, na empatia, na verdade, na hipótese.

A Podenga Portuguesa

Mulher dramática, pensativa, inquieta, feliz e infeliz. Que carrega o peso do mundo nas costas. Que é filha da mãe natureza. Acredita no amor, na empatia, na verdade, na hipótese.

Caçada de mestre

Não me venhas com essa fala mansa

De quem encena a dança

Do acasalamento

Eu tento

Fingir que não percebo

Mas sei que a tua intenção é essa

Que rica peça

Me saíste!

Tu que parecias 

Triste

Ou que bem

Me persuadiste 

E eu acreditei

Que precisavas de um ombro amigo

Alguém que vivesse contigo

Esta fase conturbada da vida.

Em ti coloquei

Esperanças

E em vez de corresponderes 

Lanças

As garras de fora

Como quem não via a hora

De iniciar a caçada

Há tanto aguardada

Planeada e ensaiada

Na tua cabeça lúcida

Chamaste-me estúpida

E eu passei-te a mão no pêlo

Tal não era o pesadelo

Que podias estar a sofrer

Que pena não poder

Voltar atrás para fazer

Diferente

Por-te consciente

Que brincar com os sentimentos dos outros

É uma brincadeira que aos poucos

Pode

Reverter

 

By: Podenga

 

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.