Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Podenga Portuguesa

Mulher dramática, pensativa, inquieta, feliz e infeliz. Que carrega o peso do mundo nas costas. Que é filha da mãe natureza. Acredita no amor, na empatia, na verdade, na hipótese.

A Podenga Portuguesa

30
Ago18

Apaixonada pelo sexo?

 

7893465_orig.jpeg

Lembram-se do primeiro episódio do sexo e a cidade quando a Carrie está num restaurante com o Stanford e encontra um ex-lover que lhe partiu o coração uma data de vezes e que era bom na cama que se fartava?

 

É disso que estou a falar.

 

Costumo dizer que quando uma mulher decide que aquele homem é dela é muito difícil tirarem-lhe essa ideia da cabeça.

 

De facto no meu caso quase parece um capricho.

Principalmente porque quanto mais me dão para trás mais vontade eu tenho que gostem de mim.

Obviamente que na minha cabeça a história do dealer está mais que arrumada.

Arrumada no sentido em que sei que ele não é o que eu preciso, ele não é assim tão fantástico como eu o pinto e eu não quero ser mais uma das 2000 mulheres que ele tem na vida dele.

No entanto é tão mas tão tramado ficar quieta quando o vejo. Resistir-lhe.

É tão tramado não ter flashs na minha cabeça de quão bom é o sexo com ele.

AHHH o sexo!!!

 

Essa coisa do demónio que eu não entendo porque raio não me controlo se já sei que vou ficar presa!!

Quando o sexo é bom eu fico presa à pessoa de uma maneira parva.

Parece que ela ganha qualidades, os defeitos desaparecem, fico burra e cega.

 

Passo na minha cabeça as imagens em camera lenta esteja onde estiver, nos momentos mais inoportunos que vos ocorram.

O cheiro dele parece fogo de acender rastilho e as vezes até coloco musicas que me lembram dele só para poder trazer à mente os momentos vividos a dois (sim porque eu faço sexo sempre com musica o que permite que este fenómeno seja mais intenso).

 

"Dás-lhe uma bem dada e ficam malucas atrás de ti"

 

Bah! Tenho tantos amigos a dizer esta frase e eu a bufar para o lado mas a ter de concordar (em parte).

Não é "dar uma bem dada", obviamente que é esforço e gratificação (espero eu) para os dois lados e quando os astros se alinham aquilo parece que flui como se tivesse em piloto automático.

 

O tema é que quando isso acontece logo na primeira vez é muito forte.

Eu falo no meu caso, porque vou sempre com expectativas baixas sendo que na maioria dos casos a primeira vez que tenho sexo com alguém não é a melhor.

 

Parece que quero sempre mais e mais e se o homem for deste género que depois diz que não, fico maluca.

Entro em loop de validação e só quero é provocar encontros, estar visível, e até chegar ao cumulo de me mostrar desinteressada para ver se ele ganha interesse.

Tudo na minha cabeça vale para voltar a estar com a pessoa.

 

Por essa razão e passados 2 meses de ter feito sexo pela primeira vez com aquele gajo e depois de tudo o que ele me fez (que nem sequer actualizei aqui no blog) ainda recordo o Santo Graal.

 

E sei que depois desta experiência com ele vou andar sempre em busca de uma sensação igual.

É tal e qual as drogas.

Experimentas uma que te dá uma moca como nunca nenhuma deu e vais andar a vida toda à procura daquela sensação e parece que nenhuma se compara.

E o pior é que mesmo que encontre novamente um homem com quem encaixe na cama, o que é que isso me garante?

Nada.

Pode dar-me prazer momentâneo mas depois se não me preencher a outros níveis do que me vale?

Estão a ver a ideia?

Por um lado não sei separar as aguas e prendo-me se o sexo for bom, por outro não tenho tido a sorte de encontrar alguém que queira estar só comigo e cujo sexo é fantástico.

 

Será que isto existe?

 

Será que os homens "bons de cama" que vão aparecendo na nossa vida nunca podem ser só nossos? Nunca podem ser os "bons rapazes"?

Porque é que temos de escolher entre cama e o resto?

 

Eu tenho um casal de amigos que o caso acontece ao contrario.

Ele diz-me que nunca teve um sexo tão bom na vida como o que tem com a namorada e que foi isso que o fez apaixonar-se por ela.

E ele é muito mais ciumento com ela do que ela com ele. Digamos que ele é o inseguro da relação.

Lá está!

Outro apanhado pelo sexo!

 

Mas será que há assim tantos homens a apaixonar-se pelo sexo? 

Mulheres já conheci muitas, mas os homens parecem conseguir separar bem as aguas.

 

Bom, se tiver de generalizar diria que as mulheres se apaixonam mais facilmente pelo sexo por 2 razoes:

  1. Porque associam muito mais os sentimentos ao acto sexual. Não sabem distinguir sexo de amor ou lá como queiram chamar.
  2. Porque existem menos mulheres a ter prazer numa relação sexual que homens. Com isto não quero colocar o ónus nos homens nem tampouco minimiza-los, mas na maioria dos casos há mais factores que influenciam o clímax de uma mulher do que o de um homem.

 

Adicionalmente também acho que o que acontece é que, não é impossível que um homem se apaixone pelo sexo, a diferença (na minha opinião) está em que quando um homem se apaixona por uma mulher pelo sexo a relação só se prolonga se existir de facto algo além disso (admiração\amizade etc...), já no caso das mulheres e volto a frisar, não querendo minimiza-las, parece que ficam deslumbradas pelo sexo e mesmo que não exista algo substancial naquela pessoa que valha a pena para manter a relação elas ficam e vão relativizando alguns defeitos que noutro contexto considerariam imprescindíveis.

 

Estou a fazer-me entender?

 

Bom, mas que sei eu disto? Não sei.

O que é certo é que nunca senti nada igual na minha vida, nunca estive tão obcecada na minha vida e nunca estive tão certa de que ele não é para mim.

Tudo ao mesmo tempo, na mesma pessoa.

 

Lá terei eu de me barricar em casa para não o ver durante os próximos tempos.

 

Dor.

4 comentários

Comentar post