Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Podenga Portuguesa

Mulher dramática, pensativa, inquieta, feliz e infeliz. Que carrega o peso do mundo nas costas. Que é filha da mãe natureza. Acredita no amor, na empatia, na verdade, na hipótese.

A Podenga Portuguesa

14
Dez16

"Um dia chegas aos 35 solteira e não vais conseguir arranjar ninguém decente porque já estão todos escolhidos"

A frase longa foi a seguinte: 

 

"Se continuares nessa vida, um dia chegas aos 35 anos, olhas para o lado e todos os teus amigos têm a sua família e não vais conseguir arranjar ninguém decente porque esses já estão escolhidos."

 

Fiquei preocupada uns minutos, mas depois bebi um mojito e esqueci-me.

 

Adoro estes conformados crónicos que porque vão entrar na casa dos 30 começam a escolher a sua parceira para a vida.

O que antes olhava para os decotes e rabos, agora olha para a fertilidade, a carteira, o apelido, entre outros.

 

Começam a delinear perfeitamente aquilo que querem ter numa mulher para constituir família, porque o propósito já deixou de ser uma noite.

 

"Vou fazer 30 anos...pensas o quê? Um gajo já começa a querer assentar, criar a sua própria família."

 

Quem nunca ouviu esta?

 

Diz quem? 90% da população mundial! Que estranho que somos tantos e tão diferentes e a ideia de casar constituir família, comprar casa bla bla bla seja algo que TODA a gente quer.

 

Pior....não admitem que forçam a real cena a acontecer.

Não!!

 

Por milagre, apaixonaram-se a uma semana de fazer 30 anos! 

O conto de fadas parece situar-se por volta dessa altura para varias pessoas, apenas por coincidência obviamente! Não que eles andassem quase com um toldo na cabeça a dizer "namorada procura-se".

 

A verdade é esta:

Sinto-me literalmente pressionada a "arranjar" alguém decente.

Porque, (dizem eles) se chegares aos 35 solteira ou estás separada ou então és um bicho muito raro para ninguém ainda te ter "pegado".

 

Que mal terá uma mulher para chegar aos 35 anos solteira sem filhos?

O mal do inconformismo meus caros.

O mal do viver sem pensar no amanhã.

O mal do sexo e a cidade.

O mal do "não calhou".

 

Eu não estou com ninguém não é por opção, é porque não encontrei ninguém que gostasse, e os que gostei não gostaram de mim.

Eu não estou com ninguém, porque quero estar com alguém que realmente valha a pena, não só porque sim, só por medo, só porque tenho prazo de validade para ser mãe.

 

Quero e não desisto da minha história de amor, venha ela quando vier!