Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Podenga Portuguesa

Mulher dramática, pensativa, inquieta, feliz e infeliz. Que carrega o peso do mundo nas costas. Que é filha da mãe natureza. Acredita no amor, na empatia, na verdade, na hipótese.

A Podenga Portuguesa

19
Out16

Alguém por aí com dificuldade em ter orgasmos?

Iniciei a minha sexual algo cedo.

 

Tinha 15 anos e todas as minhas amigas e eu ansiávamos pelo inicio do liceu para arranjarmos namorado e darmos o passo importante.

 

Naquela época era influenciada pela novela da altura, ( quem não via a Malhação/New Wave ? ) então cada vez que pensava como seria a minha primeira vez só me ocorria a cena em câmara lenta com a musica dos Tribalistas como fundo.

 

Confesso que ocorreu quase assim, não fosse a horrível dor que senti, mas tal como tinha lido fazia parte ao inicio sentir algum desconforto, que depois ao longo do tempo iria passando e daria lugar ao maravilhoso mundo dos orgasmos.

 

Contudo, esse mundo nunca chegou para mim.

À medida que o tempo foi passando, e ao contrário das minhas amigas, eu não sentia prazer nenhum em fazer sexo.

Irritava-me elas contarem o quão bom era para elas e quando chegava a minha vez só abanava a cabeça com um valente NÃO e elas lá me diziam para ter paciência...

 

Lembro-me com 16 anos recorrer à minha ginecologista e contar-lhe que não tinha orgasmos e por vezes (ou a maioria das vezes) até sangrava e doía.

Lembro-me dela me recomendar lubrificantes e dizer-me para explorar melhor o meu corpo no sentido de perceber o que poderia fazer para ficar mais excitada.

 

Até aos 21 anos alguma coisa foi melhorando, mas muito pouco.

Frustrada desisti de ter orgasmos e fui-me tornando algo fria na relação sexual que para mim servia exclusivamente para dar prazer ao parceiro.

Como não tinha orgasmos, gostava muito de fazer de tudo para ser muito boa na cama.

Assim garantia que eles adoravam e eu passava despercebida.

 

Por essa altura decidi começar a explorar o meu corpo e a dar prazer a mim mesma.

Foi aí que veio a masturbação.

Nunca acreditei muito nisso, mas a realidade é que já eram muitos anos sem resultados.

 

Mas houve uma vez que foi diferente. Efectivamente senti algo que me deu prazer. Umas contracções muito saborosas.

 

Nessa altura percebi que o erro que cometi foi ter deixado na mão do homem descobrir o meu corpo, quando deveria ter partido de mim.

 

A partir daí comecei a tocar-me durante o sexo e a conseguir ter orgasmos.

...Ou será que penso eu que são orgasmos?

 

Falando com amigas sobre isto elas descrevem o seu orgasmo como, espasmos no corpo, olhos a revirar e corpo descontrolado.

Na realidade eu não tenho isso.

E se não tocar no meu clitóris por uns bons...5 minutos, nada acontece.

O meu orgasmo dura no máximo 5 segundos e depois disso fico ressequida e desconfortável.

Começo a questionar-me se de facto algum dia tive ou não um verdadeiro orgasmo.

 

Pus-me a ler e percebi que o orgasmo que tenho é clitoriano.

A intensidade com que ele ocorre estando a ser penetrada é maior do que se tiver apenas a masturbar-me sozinha, mas não é o melhor que posso ter.

 

É apenas a ponta do iceberg.

 

Alguém assim?

 

04
Out16

Sem ti metade de mim não existe

Não poder falar contigo mata-me.

 

Perco capacidades, fico desumana, desorientada, triste.

Tenho tantas conversas acumuladas para ter contigo que não posso ter com mais ninguém.

 

Sinto-me como uma flor a morrer, sem ti, o sol da minha vida.

Tem tanto de poético como de dramático....

 

Quando estou contigo sou eu no meu expoente máximo e sei que tu também.

Tenho uma mágoa tão grande por não poder fazer-me gostar de ti.

Tento pensar como seria, mas para mim há muito que deixaste de ser um homem.

Não consigo olhar para ti e ver um homem.

 

Não imaginas as vezes que escrevo e apago mensagens para ti.

Sei que não posso, que não devo.

Vou desaparecer como prometi.

Vou ajudar-te a esquecer-me.

Por mais que me custe, és tu quem está certo.

 

Precisas de alguém que te dê tudo aquilo que mereces e não que te sugue emocionalmente como eu faço.

Precisas de alguém que não seja o teu vicio.

Precisas de alguém que te ame na mesma moeda e que te faça feliz.

Precisas de tranquilidade e não de ânsia.

Precisas de um amor não de uma amizade.

 

Peço todos os dias ao universo para me fazer apaixonar por ti, ainda que de longe.

Anseio o dia em que, sem nenhuma razão, mesmo que seja daqui a muitos anos, eu te procure para te dizer que te amo.

Acredito que um dia me vou apaixonar por ti.

Afinal de contas, é a única coisa que nos separa.

O sentimento que temos um pelo outro.