Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Podenga Portuguesa

Mulher dramática, pensativa, inquieta, feliz e infeliz. Que carrega o peso do mundo nas costas. Que é filha da mãe natureza. Acredita no amor, na empatia, na verdade, na hipótese.

A Podenga Portuguesa

21
Jul16

Quando percebes que és só mais uma

Bom...todas nós já tivemos aquela noite em que "vamos so beber um copo" e acabamos por nos apaixonar right?

Certo.

 

Eu ia sair, modo gótico-fashion, camisa aos xadrez, maquilhagem preta, o típico.

 

Ia sair com um amigo e uma amiga, á partida quando saímos com um rapaz é pouco provável conhecer um "babe", mas naquela noite a minha amiga queria ir ter com outro amigo dela e lá fomos.

 

O que ela não me tinha contado é que eles não se conheciam pessoalmente....ou seja...sabem quando um stalker que tem algo em comum connosco nos adiciona no facebook e quando percebemos que ele até é gato aceitamos?

 

Foi o que lhe aconteceu.

 

Então ela diz-me timidamente "Espera...vamos ficar só a vê-lo de longe para saber se vale a pena ir lá". Sentia-me com 14 anos na altura em que comecei a ter dates virtuais pelo mirc, ou aeio ou outro chat qualquer da moda.

 

E digo-lhe eu "Ouve lá eles são 3, se qualquer coisa correr mal ficamos todos amigos". Devia era ter ficado caladinha, acho que atraí karma.

 

Bom, chegámos ao pé deles, fingimos que era uma situação normal e desatamos a dar beijinhos e a dizer os nomes.

Eles já tinham um mojito, nós fomos buscar um para nós...entre o "qual achas mais giro?" e o "a serio que vamos engatar um rapaz com o António connosco?" (António era o pobre do nosso amigo que tinha ido ter connosco numa só de beber um copo e acabou a fazer de candelabro....), lá compramos uma caipirinha.

 

Quando voltámos percebi que o António já estava à conversa com um dos rapazes, entretanto a minha amiga foi "raptada" na conversa do babe dela e eu saquei dum cigarro e pensei...espero que quando me voltar para trás o rapaz que sobrou valha a pena...

 

E valia...

 

Ok.

 

Fiz-me de interessada na decoração dos prédios, na bebida, pensativa com a vida etc etc quando sinto uma mão a tocar-me nas costas (acreditem que o termo sentir foi mesmo s-e-n-t-i-r god).....estava carente é normal.

 

Apresentou-se de novo. João.

 

Falámos, rimos, ouvimos musica, gozámos um com o outro (sim, estávamos em pleno bairro alto às 03h00...)...enfim acções daquela química que floresceu dentro de nós (mim).

 

Fomos sair, dançámos, bebemos mais um pouco, rimos um par de vezes...ele tenta beijar-me, eu digo que não (estava mortinha, mas tive de me fazer de difícil), enfim...terminamos a noite a comer um hamburger (ainda comia carne nessa altura) e a ir para casa (separados).

 

E agora a parte importante...trocaram contactos certo? telemóvel, facebook etc etc...

 

Não.

 

Pensei para mim: não fiques ansiosa...se ele gostou de ti ele vem atrás.

 

Passaram 3 dias e eu decidi pedir à minha amiga para falar com o amigo dela. A mensagem retornou a dizer que o João me tinha mandado uma mensagem precisamente no dia seguinte à noite em que nos conhecemos.

 

Como é possível?!

 

Eu desmenti e continuei a chamar-lhe todos os nomes que existiam, quando alguém me disse: "olha lá, tu não tens um filtro para não receberes mensagens de quem não é teu amigo?"

 

Bingo.

 

Lá estava ele, a sua foto de perfil, e a linda mensagem a dizer "Olá" (muito profundo para mim naquele momento, foi).

 

Começámos a falar bla bla e eu sempre á espera do convite para beber café ou algo do género que....claro que não acontecia.

 

Uns dias passaram e eu começo a notar que em todos os lugares que ele ia ele colocava no facebook o evento.

Então a partir daí desci um nível e comecei a "provocar" encontros.

 

Lá fui eu, Lisboa fora feita tonta...eis senão quando...passado uns 3 meses (sim não me enganei) 3 meses encontrei-o numa das discotecas badaladas de Lisboa. Quando o vi o meu coração parou...e estava sozinho, tão querido, a ouvir a musica, longe dos amigos que já estavam acompanhados! Que príncipe!

 

Mal lhe falei ele abraçou-me...e depois de uma hora de conversa e flirt...deu-se o beijo..sabem ? aquele que parece que o mundo pára?

 

Bom, os meus amigos que estavam lá comigo foram embora e eu fiquei até o sol nascer com ele.

Não, não dormi com ele, e fui embora para casa de táxi.

 

No dia seguinte andei a ver borboletas em todos e lado e a esperar.

 

Esperei...claro que esperei. Por um convite. Jantar, café cinema...tantas opções e ...nada!

 

A esta altura já qualquer pessoa normal tinha percebido que ele não queria nada comigo, mas eu feita burra lá fui tentar mais uma vez.

 

Enchi-me de coragem e disse-lhe: que tal irmos passar um fim-de-semana juntos?

 

Epic!

 

Ele disse para ir até à casa dele, já que ele não morava em Lisboa e eu aceitei.

Então lá fui, colocar mais umas memorias na cabeça... daquele príncipe encantado que não gostava de mim.

Foi bom...muito bom aqueles 2 ou 3 dias, nem sei quantos dias foram os que fiquei com ele...

Soube a tão pouco, ele foi tão cavalheiro sempre, mas sempre.

 

Ainda me lembro do beijo que me deu quando segunda-feira de manhã se despediu de mim para ir trabalhar e me diz ao ouvido:

 

"Sai quando quiseres ok?"

 

Hoje, já se passou 1 ano desde que nos conhecemos.

Espero até hoje uma saída, um café, qualquer coisa.

 

Depois do fim-de-semana juntos o destino pôs-nos juntos no mesmo local em situações que seriam pouco prováveis.

Acredito que seria para me provar que ele, mesmo me vendo, iria sempre não dizer nada.

 

Just because he doesn't like me.

That's (all).

Let it go, girl.

 

Sim, foi isto que coloquei na minha cabeça.

É claro que, se quando acabar de escrever isto o visse á minha frente morria de calores.

Ficou-me sempre atravessado porque ele simplesmente não gostou de mim e eu simplesmente fui só mais uma.

 

E sim, ele está solteiro...não percebo porquê.