Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Podenga Portuguesa

Mulher dramática, pensativa, inquieta, feliz e infeliz. Que carrega o peso do mundo nas costas. Que é filha da mãe natureza. Acredita no amor, na empatia, na verdade, na hipótese.

A Podenga Portuguesa

25
Jul16

Quando os homens te visitam mas não ficam

Há uns 10 anos atrás, ainda era eu uma jovem adolescente, um rapaz/amigo que tinha uma enorme paixão por mim (não correspondida) convida-me para ir ao cinema.

 

Eu aceitei, porque não? Estava de férias da escola e divirtiamo-nos muito juntos.

 

Já estávamos sentados nas cadeiras ele recebe uma chamada.

 

Não se mostrou incomodado e atende.

 

Começa a conversar e ás tantas diz "Estou no cinema com uns amigos".

 

Oi?

 

Quando ele desligou já eu estava com aquela cara de caso a olhar para ele.

Ele ri-se, olha para mim e diz:

 

"É a Paula, a minha namorada."

 

E eu, que não sabia que ele tinha namorada pergunto-lhe porquê que ele me tinha convidado para ir cinema tendo uma namorada, pelos vistos disponível, que não merecia ser enganada.

 

E ele diz-me uma frase ridícula que até hoje não esqueci.

 

"Tens de perceber a diferença, tu és as minhas batatas fritas ela é o bife"

 

Na altura ri-me e pedi-lhe para ele nunca mais me omitir nada da vida dele, e voltei a vincar que nós nunca iríamos passar de amigos.

 

Este fim-de-semana experienciei o que esta frase realmente quer dizer.

 

Reencontrei uma ex-paixão minha da faculdade que me convidou para ir "beber um copo" e que eu sem hesitar disse sim.

 

Claro que nos enrolámos.

Claro que ele não me enviou mensagens ou convites no dia seguinte.

Claro que eu passei o dia a olhar para o telemóvel.

 

Percebo que os homens têm tesão por mim, o que é bom, faz bem ao ego, ao meu ego.

Mas é momentâneo. Tou cansada.

Se não estou preparada para o dia seguinte, é um sinal que este jogo não é para mim.

 

A história é sempre a mesma, os resultados também e eu não aprendo.

Passados anos sem me falarem, milhentas publicações com namoradas depois, lá vêm "eles" convidarem-me para ir beber um "café", lá vou eu toda iludida, lá vão eles embora e cá fico eu com este sentimento de "soube a pouco".

 

Hoje consigo perceber que eles não voltam porque sentiram muitas saudades minhas ou porque me querem conquistar.

 

Hoje percebo que sou um snack.

Alimenta, não dá trabalho.

Para horas de lazer.