Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Podenga Portuguesa

Mulher dramática, pensativa, inquieta, feliz e infeliz. Que carrega o peso do mundo nas costas. Que é filha da mãe natureza. Acredita no amor, na empatia, na verdade, na hipótese.

A Podenga Portuguesa

10
Mai17

Complexos com o corpo - impacto nas relações

Na infância (dos 7-10 anos) vestia o 40 de calças.

Nunca recebia um piropo dos rapazes, nunca recebia as cartas do dia dos namorados.

Ao invés disso era gozada, principalmente na aula de educação física porque estafetas e trampolins e afins eram apenas e só manobras de diversão dos meus colegas e verdadeiros tormentos para mim.

 

Adiante.

 

Desde que emagreci de repente (na passagem dos 10 para os 11 anos) que comecei a notar a reacção que provocava nos rapazes e fui aprendendo a lidar com isso, levada pelo entusiasmo de uma nova magra, mas retraída pelo passado de uma ex-gorda.

 

Hoje na idade adulta costumo comparar-me muito com as outras raparigas.

Às vezes quando vejo uma rapariga por exemplo no Instagram que acho que tem um corpo que gostaria de ter (nem estou a falar de fitness girls) envio para as minhas amigas e digo "gostava de ser assim", ou quando vejo uma rapariga que acho que é mais ou menos parecida comigo envio para os meus amigos rapazes e pergunto "quem é a mais sexy?".

 

É claro que este tipo de perguntas a amigos é sempre um nadinha enviesado porque por mais sinceros que eles queiram ser, não me querem magoar.

Felizmente tenho um ou dois que sei que me irão dizer sempre a verdade, não em termos de comparações porque não alinham nessas pararanoias, mas na análise do meu próprio corpo e naquilo que quero melhorar.

 

Pois bem eu sou aquilo que eu considero uma falsa magra.

Ou seja, eu vestida sinto-me a ultima coca-cola do deserto, despida sou uma anulação de pessoa.

 

Não consigo por exemplo ir a uma pool party que saiba que vai la estar um rapaz que eu ache piada.

Porque o que penso é: "Se ele me vê em bikini nunca vai querer nada comigo porque vai ver que no fundo sou uma desilusão, uma mentira"

O mesmo acontece por exemplo com rapazes que conheço todos fit.

Se eu conhecer um rapaz que considero que tenha um corpo escultural não avanço com medo de nos envolvermos fisicamente e dele me considerar uma fraude.

 

Depois tenho outra problemática que acho que é mais bizarra ainda que é, se alguém com quem até já tive sexo me convida para ir para a praia.

Medo!

Mais uma vez, e aqui apesar da pessoa já me ter visto nua, o meu pensamento é: "Não, ele se me vir na praia com aquela luz natural vai reparar nas minhas estrias, celulite e afins e nunca mais me vai querer tocar e vou sentir-me um caco".

 

Tenho imensa celulite, flacidez, aquelas banhas nos flancos, de perfil o meu rabo parece que derreteu...enfim.

 

Ontem quando falava disto com um amigo ele disse-me uma coisa que fez-me pensar sobre esta minha insegurança com o meu corpo que foi:

"Os rapazes que estão contigo aceitam estar contigo pelo gosto que eles têm pelo teu corpo e não o teu gosto pelo teu corpo. O rapaz aceitou estar contigo e gostou daquilo que viu e tu tens de aceitar-te como és, ainda que queiras melhorar. Não podes boicotar uma relação com alguém que já te aceitou com medo que ele não te aceite. És tu que não te aceitas."

 

De facto não tive muito por onde responder.

Acho que estas exposições de corpo por exemplo em bikini trazem-me à memoria os enxovalhos que sofria nos campo de ferias da escola.

Outro sofrimento para mim ir para a praia com os "coleguinhas". Quando me despia ouvia os risos de fundo, as boquinhas maldosas aqueles

"Aiiiii olha lá olha lá, bué gorda".

 

Talvez para seguir e deixar estes medos para trás tenha de fazer as pazes com o meu passado.

Perdoa-los a eles e a mim.