Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Podenga Portuguesa

Mulher dramática, pensativa, inquieta, feliz e infeliz. Que carrega o peso do mundo nas costas. Que é filha da mãe natureza. Acredita no amor, na empatia, na verdade, na hipótese.

A Podenga Portuguesa

14
Dez17

Amor arrogante intelectual

 

 

 

Em cima do teu ego disfarçado

De eremita excomungado

Salta uma arrogância que doí

Não mata, mas moí

A quem tenta desbravar caminho.

 

Em cima desse teu olhar sem fundo

Qual cão vagabundo

Não se sente muito mais do que se vê

E ainda assim se crê

Ser-se olhada de verdade.

 

Em cima dessa tua falta de altruísmo

Disfarçada de estoicismo

Denota-se a parte mais podre do teu ser

Mas que mal tem, se não houver maldade?

Navegas sobre a tua cega verdade

Porque só não vê, quem não quer ver.

 

Em cima desse teu desapego interessado

Ri-se um carente acostumado

Por pensar que engana bem

A quem também não tem por onde pegar

E no fundo, sobrevive longe do mundo

Agarrado ao seu intelecto profundo

Sem precisar alguém para amar.

 

Podenga